Série de Estudos – A Chegada do Marxismo Cultural: Sociedade Fabiana, Escola de Frankfurt e o Antonio Gramsci [parte 3/3]

A estratégia (ferramentas) que foi desenvolvida pelos marxistas para acelerar utopia comunista por meios não radicais são:

Teoria Crítica: LEIA MAIS

Série de Estudos – A Chegada do Marxismo Cultural: Sociedade Fabiana, Escola de Frankfurt e o Antonio Gramsci [parte 2/3]

Em paralelo na Alemanha Felix Weil, alemão que também está preocupado com os rumos da revolução russa, decide criar em 1922, uma serie de congresso reunindo pensadores marxista para acelerar o processo de revolução. Entre eles estava Karl Korsch, um teórico contemporâneo de Gramsci que apresenta a tese que o  estado é sim, estruturado pela economia, mas essa economia tem como base uma outra estrutura,  uma cultura invisível, a cultura estabelecedores dos valores passado em geração em geração (burgueses), essa superestrutura invisível, é a qual mantem sustentação ao Estado, e para o desmantelamento, Korsch mostra o caminho para marxista atacarem, até então não visto (KORSCH, 2008).Entusiasmo como a apresentação de Korsch, Félix Weil fundou juntamente com outros marxista, um dos principais marcos histórico para marxismo cultural, o instituto de pesquisa sociológica de Frankfurt, a escola de Frankfurt.

Nessa época aconteceu fatos importantes, ocorreu o sucessor de Felix Weil pelo sociólogo e filósofo alemão Max Horkheimer, se tornou diretor do Instituto em 1937. O contexto histórico, assim como Gramsci, Horkheimer acreditava em uma nova hegemonia cultural e na destruição da estrutura dos valores que perpetuavam por meio da autoridade da igreja, da família e da escola, de certo modo, aconteceu que, segundo a escola de Frankfurt, os pais ensinam os filhos o que é certo e errado, por meios do castigo, e educa através de exemplo da família, a Igreja estabelece os dogmas morais, que estabelecem e condiciona a ação do homem e a escola condiciona o comportamento por meio do ensino. LEIA MAIS

Série de Estudos – A Chegada do Marxismo Cultural: Sociedade Fabiana, Escola de Frankfurt e o Antonio Gramsci [parte 1/3]

Alguns marxistas a parte da União Soviética, observarão os acontecimentos históricos do regime: leninismo e stalinismo, e acusaram de não estar implantando a ditadura do proletariado, mas sim, uma ditadura do estado assassino e cruel. A subdivisão dos pensamentos comunista/marxista começa a ganhar força no período em que seguia a revolução bolcheviques. Tais pensamentos como da Sociedade Fabiana, Antônio Gramsci e Escola Frankfurt fortalece por reforça que o comunismo poderia ser implantado por meios menos radicais, agindo na cultura.

Sociedade Fabiana LEIA MAIS

Série de Estudos – Aspecto Histórico da Revolução Russa e a Crise Marxista [parte 3/3]

No entanto, foi nessa época que aconteceu os maiores crimes contra a humanidade, durante o regime leninista e stalinista, na União Soviética.

Poster Propaganda Chinesa de 1967, Marxista Presidente Mao Zedong LEIA MAIS

Série de Estudos – Aspecto Histórico da Revolução Russa e a Crise Marxista [parte 2/3]

Lenin no dia 7 novembro de 1917, deu um golpe no governo transitório de Kerensky, que foi derrubado pelas forças bolcheviques, devido a isso, abriu uma nova fase para história humana, a fase de escravidão do povo; Marx resumiu o socialismo como “abolição da propriedade privada“. Na pratica, o componente mais fundamental da propriedade privada — a propriedade do indivíduo sobre si próprio — foi o primeiro a ser abolido (MALTSEV, 2017).

Conforme verificado por Olavo (2002), “a primeira guerra mundial trouxe uma crise teórica para o marxismo, pois esperava-se que os trabalhadores se unissem contra os empregadores, mas o que aconteceu foi inegavelmente ao contrário, proletariado aderiu à pregação patriótica, alistando-se em massa e lutando bravamente nos campos de batalha pelos “interesses imperialista”. LEIA MAIS

Série de Estudos – Aspecto Histórico da Revolução Russa e a Crise Marxista [parte 1/3]

A história do comunismo e da crise da teoria marxista, é a história de como não deu certo a aplicação dela, apenas nunca foi tão, insidiosa e mortífera ideologia atracado pelas barbaridades no âmbito físico e cultural. O comunismo/marxismo nasceu com uma proposta em novembro de 1917 de derrubar a ordem existente pela revolução armada, partindo da Rússia e estendendo pelo resto do mundo. Este período de conflitos sobre influência marxismo-leninismo, levou ao poder o Partido Bolchevique, liderado pelo Lenin, onde que se deu início a Revolução Russa e mais tarde, a crise marxista.

Rússia Imperial LEIA MAIS

Série de Estudos – O Manifesto Comunista: A Essência da Ideologia Marxista [parte 2/2]

É interessante, aliás, lembrar que ainda não abrange toda filosofia de Marx, além das medidas radicais do manifesto comunista, a começar de abolição da propriedade privada indo até os trabalhos forçados (futuros gulag) e a reforma da distribuição demográfica, por exemplo, não é exagero afirmar que no segundo capítulo, Marx admite que a abolição da família é um valor burguês. “Abolição da família! Até os mais radicais ficam indignados diante desse desígnio infame dos comunistas” (MARX e ENGELS, 1997, p. 36). Conforme explicado acima, isso porque, abolir a família seria relativamente fácil, tão logo, a propriedade da burguesia fosse abolida.

É importante ressaltar que para Marx e Engels a família tradicional é uma instituição meramente burguesa que se mantém no poder pelo aproveito do capital, nesse sentido, Marx assimilou rapidamente indispensabilidade de fazer uma revolução para além da esfera política, estatal e constitucional. LEIA MAIS

Série de Estudos – O Manifesto Comunista: A Essência da Ideologia Marxista [parte 1/2]

O Manifesto Comunista, publicado pela primeira vez em 21 de fevereiro de 1848 pelos escritores; Marx e Engels, traz a essência da ideologia comunista/marxista. Pode-se dizer que a ideologia marxista é a qual defende uma sociedade sem classe, e igualitária.  Neste contexto, fica claro na visão de Marx, que a sociedade tradicional (burguesa) era injusta, pois explorava o trabalhador (MARX e ENGELS, 1997). O mais preocupante, contudo, é constatar que no manifesto, traz toda a estratégia de como seria aplicado a ideologia comunista/marxista na práxis, onde que, os trabalhadores ou proletariados, seriam os meios, para criação de uma revolução armada na tomada posse do governo, implantando à ditadura do proletariado, controlando os meios de produção e abolindo a propriedade privada.

Como bem nos assegura Marx e Engels (1997, p. 30 e 41) que: LEIA MAIS

Série de Estudos – A arte sob a influência do marxismo cultural na utilização dos processos de hegemonia cultural e dissociação do ser – [Apresentação]

Por: Marcos Camargo

Esse artigo é  a apresentação de uma serie de estudos com o titulo ” A arte sob a influencia do marxismo cultural na utilização dos processos de hegemonia cultural e dissociação do ser”  que serão postados em toda semana dividido em 5 capítulos: LEIA MAIS

Arte-Educador, Modernismo e Pós-Modernismo – [parte 2]

Tendência do ensino da arte da atualidade e a diversidade cultural

Como uma tendência, Barbosa (2003) aponta, na atualidade, para a associação do Ensino de Arte com a Cultura Visual. LEIA MAIS

© 2018 Kamargo

Theme by Anders NorénUp ↑