Tagrevolução cultural

Série de Estudos – Considerações finais + Bônus – [parte 1/2]

Conclusão

O desenvolvimento do presente estudo possibilitou uma análise de como o marxismo cultural está sendo propagado na cultura ocidental, uma reflexão acerca dos malefícios do marxismo na gravidade que encontra influenciando à artes e instituições, ao se observar esse conteúdo, além disso também permitiu conhecer as diferentes estratégias marxista de como pode ser implantado o comunismo/socialismo,  de um modo geral, a intelectualidade marxista demonstra interesse em aprofundar suas teorias e implanta-las em todas esferas humanas, e com engenhosidade social, tem conseguido agir ardilosamente nas camadas sociais. LEIA MAIS

Série de Estudos – Arte Sob Influências da Cultura Marxista – [parte 2/2]

Em outra passagem Adorno se refere a música da seguinte forma:

De modo algum se dá expressão à esquizofrenia, mas a música tem um comportamento que se parece ao de certos doentes mentais. O indivíduo representa tragicamente sua própria dissociação. Desta imitação ele se promete, de maneira mágica, mas atualidade imediata(…) Seu interesse apoia-se antes no dominar rasgos esquizofrênicos mediante a consciência estética e também em geral queria reivindicar a loucura como boa saúde (ADORNO , 1974, p. 132-133). LEIA MAIS

Série de Estudos – Marxismo Cultural: A subversão ideológica da cultura ocidental [parte 2/2]

Após a segunda guerra mundial, Escola de Frankfurt, volta a sua terra natal, dentre os marxistas, o filósofo, Marcuse, continuou em New York, produzindo uma nova roupagem aos trabalhos abstratos de seus colegas para facilitar a compreensão dos estudantes. Em seu livro “Eros and Civilization”, ele argumentou que, ao libertar o sexo de quaisquer restrições, poderíamos elevar o princípio do prazer sobre o princípio da realidade e criar uma sociedade sem trabalho, apenas jogar (Marcuse cunhou a frase “faça o amor, não guerra”). Marcuse também defendeu o que ele chamou de “tolerância libertadora”, que ele definiu como tolerância para todas ideias vindas da esquerda e intolerância por qualquer ideia que venda da direita” (LIND, 1998).

Como se pode verificar nessa citação, o marxismo cultural é aplicado como explicado o marxismo se aplica em todas as esferas social, mas a escola, igreja e família, é o lugar que se tem maior ataque, pois as mentalidades revolucionárias sabem que se desmantelar a base da sociedade, a implantação e controle será mais fácil. LEIA MAIS

Série de Estudos – Marxismo Cultural: A subversão ideológica da cultura ocidental [parte 1/2]

Segundo Olavo (1996) o marxismo cultural é a cultura o que se infiltra nas bases da sociedade para solidificar uma mentalidade e visão cosmo política distorcida. Para serem controladas e usadas como massa de manobra com interesses de implantar uma nova ordem. Modificando-se a cultura, altera-se a mentalidade e visão do todo. No entanto para alterar a cultura, de certa forma sorrateiramente, era imperioso se incutir nos canais institucionais, particularmente na educação.

Gramsci propõe uma revolução cultural que subverta todos os critérios admitidos do conhecimento, instaurando em seu lugar um “historicismo absoluto”, no qual a função da inteligência e da cultura já não seja captar a verdade objetiva, mas apenas “expressar “a crença coletiva, colocada assim fora e acima da distinção entre verdadeiro e falso (CARVALHO, 1996, p. 30). LEIA MAIS

Série de Estudos – A Chegada do Marxismo Cultural: Sociedade Fabiana, Escola de Frankfurt e o Antonio Gramsci [parte 3/3]

A estratégia (ferramentas) que foi desenvolvida pelos marxistas para acelerar utopia comunista por meios não radicais são:

Teoria Crítica: LEIA MAIS

© 2018 Kamargo

Theme by Anders NorénUp ↑