CategoryArtes Visuais

Modelo de roteiro para criação de vídeo com alunos

Por: Marcos Camargo

Artigo aponta uma forma simples de realizar a elaboração de um pequeno roteiro sobre um exemplo de vídeo que você queira produzir com seus alunos acerca da disciplina que ministra, mas antes precisamos conhecer algumas das principais expressões usada, como: lettering e off screen. LEIA MAIS

Análise da entrevista de Ana Mae Barbosa no programa Roda Viva – ano 1998

Por: Marcos Camargo

Artigo aponta uma análise da entrevista que foi realizada no programa Roda vida no dia 12 de outubro de 1990, na TV Cultura com a arte educadora Ana Mae Barbosa. Apresenta um parâmetro do cenário no que cerne ao ensino da arte na educação brasileira, seguido a do aprofundamento do assunto tratado e a adequação dos exemplos (pessoas entrevistadas e/ou casos mostrados. (CAMARGO, 2018) LEIA MAIS

A Abordagem Triangular: leitura da obra de arte – parte 2

Conforme verificado por Barbosa (2001), o primeiro livro que estabelecia para o ensino a arte como conhecimento foi de Edmund Feldman a qual o autor traz o método comparativo de análise de obras de artes. Trata-se inegavelmente de estimular a leitura de uma ou mais imagens de obras, com a atenção para o confronto entre a suas semelhanças e diferenças.

“Para efeitos didáticos, ouso classificar o método de leitura da obra de arte de Feldman como comparativo. Ele nunca propõe a leitura de uma única obra de arte, mas sempre coloca duas ou mais obras para que o estudante tire conclusões da leitura comparada de problemas visuais propostos de maneira similar, ou diferentemente nas várias obras”. (…) Para o estudo da linha, especificamente, Feldman propõe a, análise das diferenças e semelhanças entre as linhas onduladas de uma cadeira de Balanço Thonet (figura – 1) e da escultura de Calder The Hastess (figura-2) em contraposição à angulosidade do quadro de Family Walk de Paul Klee (figura-3) e das linhas agudas do quadro de Jacob Lawrence, Pool Parlar (figura-4)” (BARBOSA , 2001, p. 44). LEIA MAIS

A Abordagem Triangular: contextualizar, produzir e ver – parte 1

Por: Marcos Camargo

A Abordagem Triangular hoje conhecida, publicado primeiramente com o nome de Metodologia Triangular em 1990, no livro “A imagens no ensino da Arte” por Ana Mae Barbosa, depois alterado no livro “Tópicos Utópicos” passou a chamar de “Proposta Triangular”. Segue de forma sistemática com sua gênese DBAE- Disciplined Based Art Education e com outras duas fortes influências na Richard Hamilton, em Newcastle University (Inglaterra) e Escuelas al Aire Libre (México) à sistematização pós-moderna do ensino da arte na educação brasileira. LEIA MAIS

© 2018 Kamargo

Theme by Anders NorénUp ↑